top of page
  • Foto do escritorBruno Rizardi

Por que precisamos de designers no governo



Artigo originalmente publicado no Apolitical

O design tornou-se um conceito importante - mas infelizmente muitas vezes mal compreendido - que é visto como o cerne da inovação.

Mas a padronização do processo de design em estruturas de "design thinking", kits de ferramentas , sprints e métodos passo a passo, tornou muito mais uma receita para a inovação do que uma maneira de pensar e fazer. Embora seja ótimo que o design tenha alcançado lugares que antes não teríamos ousado esperar - como a administração pública - devemos ter o cuidado de pensar que essa prática pode ser resumida em uma fórmula.

Meu papel como designer não é apenas apresentar um método (design de facilitação) nem tomar todas as decisões (design genial), mas traduzir o design de uma forma que faça sentido para os servidores públicos.

Hoje, existem duas formas muito diferentes de praticar design no setor público. Um, que chamarei de facilitante design, é quando os designers facilitam o processo, mas não estão envolvidos nas discussões e não compartilham de seus pontos de vista. O outro, o design genial, é quando os designers ditam principalmente o caminho que as coisas devem seguir, especialmente em atividades criativas, como ter novas ideias.

Ambas as abordagens são problemáticas. Em primeiro lugar, o design facilitador ocorre porque existe uma crença de que o design pode ser replicado como uma fórmula. Embora os métodos de design ajudem muitas pessoas a iniciar e aplicar o design em um processo passo a passo, design é muito mais do que isso - incluindo conhecimento e discussões sobre ergonomia, comportamento, semiótica, comunicação, usabilidade e estética. Esses não devem apenas ser incorporados a um método, mas também fazer parte da discussão, onde designers compartilham seus pontos de vista, em vez de serem facilitadores neutros.

Por outro lado, o design genial ocorre porque existe uma crença de que a criatividade é um dom que poucas pessoas possuem e, portanto, elas devem ser tratadas como uma fonte primária de boas ideias. Dessa forma, os designers dominam a discussão e as pessoas participam de uma forma muito limitada. Isso acontece principalmente em organizações altamente hierárquicas, onde uma pessoa apresenta todas as ideias e outras pessoas têm para fazer isso acontecer.

O problema com ambas as abordagens é que o design é muito mais do que um método ou um golpe de gênio - é uma prática profissional que requer treinamento, experiência e conhecimento sobre como criar. É verdade que todos nós somos designers, no sentido de que todos podemos mudar nosso ambiente criando coisas, mas da mesma forma que a maioria das pessoas é capaz de correr, muito poucos são atletas profissionais.


O problema com ambas as abordagens é que o design é muito mais do que um método ou um golpe de gênio - é uma prática profissional que requer treinamento, experiência e conhecimento sobre como criar. É verdade que todos nós somos designers, no sentido de que todos podemos mudar nosso ambiente criando coisas, mas da mesma forma que a maioria das pessoas é capaz de correr, muito poucos são atletas profissionais.


Conforme os projetos baseados em design são implantados no governo, a necessidade de uma nova cultura de trabalho, muito diferente dos processos burocráticos tradicionais, torna-se cada vez mais premente. Às vezes, esses projetos são feitos como processos passo a passo, caindo em formas tradicionais de trabalho, o que exclui totalmente o design do processo.

Trabalhando como consultor de design para vários projetos na GNova, um laboratório de inovação do governo federal na Escola Nacional de Administração Pública do Brasil, aprendi a lidar com a frustração e ansiedade das equipes que são empurradas para fora de suas zonas de conforto ao tentar uma maneira designerly de trabalhar. Isso me levou a reconhecer que meu papel como designer não é apenas apresentar um método (design de facilitação) nem tomar todas as decisões (design genial), mas traduzir o design de uma forma que faça sentido para os servidores públicos.

Dessa forma, o design pode fazer parte do setor público como uma mentalidade, como uma forma de pensar, não apenas como um processo ou um mito. Então, realmente não importa se você segue o diamante duplo, um sprint ou qualquer método de design estruturado, contanto que você trabalhe com uma mentalidade centrada no usuário, colaborativa, empática e criativa, na maioria das vezes você acaba fazendo design.

Guarde o cortador de biscoitos

Trabalhando com o Ministério da Cidadania do Brasil, a GNova tinha o desafio de criar uma política inovadora que ajudasse as pessoas de baixa renda a gerar renda por meio do empreendedorismo.

Nosso maior desafio era que a solução inicial do governo - um site - não funcionava para seus usuários, pois a maioria deles tinha problemas com plataformas digitais. Mas foi necessária uma pesquisa de design etnográfico para os servidores públicos perceberem isso - eles conheceram os usuários e perceberam o quão tendenciosa e distorcida era sua visão sobre eles.

Ao trabalhar com entrevistas em profundidade, esses servos foram capazes de criar empatia com os cidadãos e mudar profundamente sua percepção sobre eles. Isso afetou não apenas este projeto em particular, mas também outras iniciativas em que seu departamento estava trabalhando. Posteriormente no projeto, esses servidores continuaram nos contando como é importante atender os usuários e como essa experiência mudou sua forma de pensar sobre a política.

Aprender uma mentalidade de design é um trabalho árduo e requer a desconstrução de certos modelos mentais e a prática de outras formas de ver e compreender o mundo. Por isso precisamos de designers no governo: nossa missão é fazer a ponte entre essa transformação, trazendo o design como prática e traduzindo-o para a realidade e os desafios do setor público.

Essa missão exigirá que os designers aprendam sobre governos e vice-versa, experimentem métodos de design e criem uma maneira de fazer design que reconheça os desafios políticos, sociais e institucionais que podemos encontrar nos governos. Isso deve ser feito trazendo os valores de empatia, colaboração e experimentação do design como uma nova forma de pensar e fazer, não como passos a seguir.


41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page